História

Tudo o que aconteceu nesse prédio está relatado nos livros “King Edgar Hotel e “King Edgar Palace” Clique no nome dos livros para ler o pdf dos livros.

O antigo Colégio Católico Santo Augusto, cuja fundação aconteceu em 1890, no centro de São Paulo viu acontecer uma misteriosa debandada no ano de 1937, e consequentemente foi obrigada a fechar as portas por falta de alunos.
Em 1941, o industrial norte-americano Edgar Koontz, considerado um rei dentro de seu segmento, comprou o imóvel por um preço muito abaixo do mercado, visto que a má fama originada nos eventos de 1937 havia afastado compradores potenciais, deixando o antigo colégio em estado de total abandono. Koontz optou por demolir o prédio, porém precisou se dedicar a outros empreendimentos no exterior e deixou as obras paradas por alguns anos.

Quando, em 1947, Edgar Koontz resolveu prosseguir com um ambicioso e improvável projeto de construção de um poço de petróleo no local, acabou por ser internado a pedido de sua esposa, Shelley Rice Koontz. A alegação apresentada foi de que o senhor Koontz não tinha domínio de suas faculdades mentais. Mais uma vez, o imóvel foi abandonado.

Edgar Koontz morreu de tuberculose em 1952. Howard, seu filho mais velho, decidiu utilizar o terreno herdado para colocar em prática um sonho: projetar e construir um hotel. Para viabilizar tal obra, convenceu o irmão Phillip e o amigo Alan Straub a se juntarem a ele na empreitada. Os filhos resolveram homenagear o pai nesse projeto, dando o nome do pai e a alcunha de “rei” ao empreendimento. Surgiu então o King Edgar Hotel, uma construção com arquitetura clássica.

Estranhos desaparecimentos de hóspedes e relatos de aparições fantasmagóricas aconteciam vez ou outra, mas nada que abalasse a imagem do empreendimento hoteleiro. Até que a caldeira do hotel veio a explodir, levando à morte hóspedes e funcionários.

O King Edgar Palace foi inaugurado nos primeiros dias de 2017, no mesmo local onde antes existiu o King Edgar Hotel, no centro velho de São Paulo. A rapidez com que o novo empreendimento foi erguido, sobre os escombros de seu antecessor, foi impressionante. Muito dessa excelente performance se deve à construtora japonesa GYO (Golden Yardstick Organization), que se associou aos fundadores Howard Koontz e Alan Straub, e trouxe toda sua tecnologia de pré-moldados e maquinário moderno para permitir essa rápida reconstrução.

A GYO foi representada no Brasil pelo sócio Junji Takami, que, assim como Koontz e Straub, mora na cobertura do hotel, andar de acesso restrito com somente 3 apartamentos. A inauguração do King Edgar Palace foi marcada pela presença de grandes empresários e figuras políticas conhecidas do Brasil e do exterior.

Em King Edgar Hotel, o foco era todo voltado aos procedimentos para alcançar a vida eterna. Em King Edgar Palace, eles quiseram ir além, fazendo alianças e aumentando sua influência em busca de poder. Para isso, não pouparam esforços e vidas alheias, mantendo a essência maléfica de seu empreendimento e cometendo atos atrozes sempre que necessário. No entanto, o ciclo de violência e maldade do King Edgar Palace cobrou seu preço com o suicídio de Junji Takami e o desaparecimento da gerente Ingrid Peterson.

A morte do sr. Takami foi um grande baque nas relações entre o hotel e a GYO, que suspeitou de traição. No entanto o hotel, cada vez mais forte e mais faminto por vidas, não esperaria. Foi surpreendente para os sócios Straub e Koontz quando o próprio CEO da GYO decidiu entrar em contato com eles para resolver a situação.

O britânico Alfred Barker nunca mostrou seu rosto durante as ligações de negociações, mas suas propostas foram quase irrecusáveis. O hotel seria ampliado, revigorado, e o carro chefe de uma grande franquia oculta, espalhada pelo mundo. Mais e mais vidas entrariam naquelas dependências e cada vez mais almas seriam ceifadas.

A antiga equipe de criaturas e entidades que auxiliavam com o hotel debandou algum tempo após a morte de Junji Takami. Agora, Barker trouxe sua equipe pessoal para desde os trabalhos indesconfiáveis diante dos olhos dos hóspedes até as coisas mais terríveis, seladas atrás de portas fechadas.

Reinaugurado em Outubro de 2019, King Edgar Plaza se tornou o centro de toda a maldade e loucura que estendeu seus tentáculos ao redor do globo. Ampliado com um restaurante na cobertura King Edgar Plaza está maior do que nunca. Melhor do que nunca. Mais faminto do que nunca.

Paris, Nova York, Tóquio, Londres, Beijing… A cada mês, mais hotéis foram restaurados e melhorados, se espalhando pelo mundo todo. E pessoas passaram a desaparecer nesses hotéis. Mas não há provas da associação entre os hotéis, e com a dispersão de desaparecimentos, ninguém jamais suspeitou que aqueles que sumiram sempre tiveram seus corpos irreconhecíveis encontrados no mesmo lugar: São Paulo.